Temas e Metodologias em História Global: Identidade, etnicidade e território

Temas e Metodologias em História Global: Identidade, etnicidade e território

Professora: Dra. Juliana Salles Machado

Horário da aula: Segunda-feira, 14h – 18h

Local: Sala CFH308

Horário de atendimento: Terça-feira, 8:00-11:30

Local de atendimento: sala 08, Departamento de História

Email professora: julianasallesmachado@gmail.com

 

Ementa

Analisar a historiografia referente às diversas manifestações das identidades locais e suas interconexões globais. Discutir acerca dos fatores que levam à elaboração e reelaboração de identidades e afirmação étnica, enfatizando sua integração com a construção de paisagens e territórios em diferentes escalas.

Objetivos

O conjunto de abordagens propostas pela linha, entre os quais esta disciplina se encontra, se desdobra em temas tais como memória, identidades e representações, conexões globais e formas de interação, protagonismo e resistência indígena, tecnologia e território, cotidiano, cultura material, tradição oral/escrita, e educação e formação intelectual,  no que se refere à linha de concentração Arqueologia, Etnohistória e História Indígena.

Metodologia

Poderão ser utilizadas as seguintes metodologias:

  • Leitura orientada e participação nos debates durante a apresentação dos textos. Os trabalhos dessa disciplina serão conduzidos na modalidade de seminários em cada uma das unidades do programa.
  • Aulas expositivas, discussões de texto e mesas-redondas.
  • oficinas de análise para as quais serão utilizadas fontes documentais, análise de objetos e saídas de campo. Estas atividades práticas visam permitir o contato dos alunos com metodologias de análises diversas utilizadas nas disciplinas de história, antropologia e arqueologia.
  • Produção de um ensaio individual sobre as contribuições propiciadas pela disciplina em sua pesquisa articulando pelo menos com três (03) textos de referência discutidos nos seminários. O ensaio deve ter entre oito (08) e doze (20) laudas com vistas à publicação, seguindo a ABNT.

Conteúdo Programático

Aula 1

Apresentação do Programa

 

Aula 2: 12 março

I. Identidade e Diferença

HALL, Stuart. A identidade Cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. (livro inteiro)

 

Aula 3: 19 março

Silva, Tomaz Tadeu da Silva; Stuart Hall & Kathryn Woodward. Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos culturais. Petrópolis. Vozes, 2000. (livro inteiro)

 

Aula 4: 26 março

visita a expo indígena (auto-guiada)

 

Aula 5: 2 abril

Kuper, Adam. Cultura. A visão dos Antropólogos. EDUSC, Bauru, 2002. Capítulo 7: Cultura, diferença e identidade p.287-311).

Oliveira, Roberto cardoso de. Caminhos da Identidade. Ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. Capítulo 1. Identidade étnica e a moral do reconhecimento: pp.87-116. Editora Unesp: Paralelo 15, 2006.

Oliveira, Roberto Cardoso de. Caminhos da Identidade. Ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. Capítulo 3. Os (des)caminhos da identidade (Etnicidade e multiculturalismo): 19-58. Editora Unesp: Paralelo 15, 2006.

 

Aula 6: 9 abril

Mesa-redonda

Exercícios de análise e estudos de caso

 

Aula 7: 16 abril

II. Identidade e(m) processo

Giust-Desprairies, Florence.  A Identidade como processo. Entre ligação e desprendimento. In Jamil Zugueib Neto (org.) Identidades e Crises Sociais na contemporaneidade. Editora UFPR, Curitiba, 2005:199-214.

CARNEIRO DE CUNHA, Manuela. 1987. Etnicidade: da Cultura residual, mas irredutível. In Antropologia do Brasil. São Paulo, Brasiliense.

Barth, Frederik  Ethnic Groups and Boundaries. Tradução e impressão: Poutignat & Philippe. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Frederik Barth. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1998. Parte II: Grupos étnicos e suas fronteiras, de Frederik Barth, p.185-228.

 

III. Etnicidade e Fronteiras

Aula 8: 23 abril

Meskell, Lyn. Archaeologies of Identity. In Hodder, Ian (Ed.). Archaeological Theory Today. Polity Press: Cambridge, 2001:187-213.

Jones, Sian. Historical categories and the Praxis of Identity. The interpretation of ethnicity in historical archaeology, In Robert Preucel & Stephen Mrozowski. Contemporary Archaeology in Theory. The New Pragmatism. W, iley-Blackwell, 2010:301-310.

Jones, Sian. The Archaeology of ethnicity. Constructing identities in the past and presente. Routledge: London: New York, 1997:56-83.

 

 

30 abril: não haverá aula

 

Aula 9: 7 maio (semana de história) – não haverá aula

 

Aula 10: 14 maio

Rodrigues, Carmem Izabel Rodrigues. Caboclos na Amazonia: a identidade na diferença/ Novos cadernos NAEA. V.9, n,1, p.119-130, 2006

Chibnick, Michael. Quasi-ethnic Groups in Amazonia.

Brubaker, Rogers e Frederick Cooper. Beyond Identity. Theory and Society 29:1-47, 2000.

 

Aula 11: 21 maio

IV. Identidade e territorialidade

Dias, Adriana Schmidt. Arqueologia Guarani: territorialidade e cultura material. In Morales, Walter (Org.) Tempos Ancestrais

Zedeno, Maria Nieves. On what people make of places. A behavioral cartography. In Schiffer, Michael Brian. Social Theory in Archaeology. The University of Utah Press, 2000: 97-111.

 

Aula 12: 28 maio

Mesa-redonda

Exercícios de análise e estudos de caso

Joyce, Rosemary; Julia Hendon & Jeanne Lopiparo. Being in place. Intersections of Identity and experience on the honduran landscape. In Bowser, Brenda & Maria Nieves Zedeno. (Ed) The Archaeology of meaningful places.  The University of Utah Press, 2009: 53-72.

 

4 junho: não haverá aula

 

Aula 13:11 junho

Apresentação de trabalho

 

Aula 14: 18 junho

Apresentação de trabalho

Encerramento da disciplina

 

Avaliação

Poderão ser utilizadas as seguintes formas de avaliação:

  • 50% – a nota do seminário que levará em conta: a capacidade de síntese e de reflexão sobre a temática central do texto;
  • 50% – a nota do ensaio final tomará como base a clareza e a coerência argumentativa, o uso adequado da língua portuguesa, a formatação segundo as normas da ABNT e a articulação entre a pesquisa em andamento, os temas abordados e os artigos da disciplina;
  • caso a disciplina ofereça mesas-redondas e/ou oficinas, será solicitado uma resenha crítica de 3 a 5 páginas sobre cada uma das oficinas/mesas-redondas realizadas em sala de aula, utilizando como referência ao menos 2 textos da disciplina para cada resenha. Neste caso, a nota será dividida com a nota do seminário (25% cada).
  • A aprovação está condicionada a frequência de no mínimo 75%.

Bibliografia Básica

Barth, Frederik  Ethnic Groups and Boundaries. Traução e impressão: Poutignatm Philippe. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Frederik Barth. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1998. Parte II: Grupos étnicos e suas fronteiras, de Frederik Barth, p.185-228.

Brubaker, Rogers e Frederick Cooper. Beyond Identity. Theory and Society 29:1-47, 2000.

Carneiro da cunha, Manuela. Negros, estrangeiros. Os escravos libertos e sua volta à África.  São Paulo, editora Brasiliense. Introdução (p.9-16;  Conclusão 205-209)

Chibnick, Michael. Quasi-ethnic Groups in Amazonia.

Dias, Adriana Schmidt. Arqueologia Guarani: territorialidade e cultura material. In Morales, Walter (Org.) Tempos Ancestrais

Giust-Desprairies, Florence.  A Identidade como processo. Entre ligação e desprendimento. In Jamil Zugueib Neto (org.) Identidades e Crises Sociais na contemporaneidade. Editora UFPR, Curitiba, 2005:199-214.

HALL, Stuart. A identidade Cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. (livro inteiro)

In Oliveira, Roberto cardoso de. Caminhos da Identidade. Ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. Capítulo 1. Identidade étnica e a moral do reconhecimento: pp.87-116. Editora Unesp: Paralelo 15, 2006.

In Oliveira, Roberto cardoso de. Caminhos da Identidade. Ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. Capítulo 3. Os (des)caminhos da identidade (Etnicidade e multiculturalismo): 19-58. Editora Unesp: Paralelo 15, 2006.

Jones, Sian. Historical categories and the Praxis of Identity. The interpretation of ethnicity in historical archaeology, In Robert Preucel & Stephen Mrozowski. Contemporary Archaeology in Theory. The New Pragmatism. W, iley-Blackwell, 2010:301-310.

Jones, Sian. The Archaeology of ethnicity. Constructing identities in the past and presente. Routledge: London: New York, 1997:56-83.

Joyce, Rosemary; Julia Hendon & Jeanne Lopiparo. Being in place. Intersections of Identity and experience on the honduran landscape. In Bowser, Brenda & Maria Nieves Zedeno. (Ed) The Archaeology of meaningful places.  The University of Utah Press, 2009: 53-72.

Kuper, Adam. Cultura. A visão dos Antropólogos. EDUSC, Bauru, 2002. Capítulo 7: Cultura, diferença e identidade p.287-311).

Meskell, Lyn. Archaeologies of Identity. In Hodder, Ian (Ed.). Archaeological Theory Today. Polity Press: Cambridge, 2001:187-213.

Rodrigues, Carmem Izabel Rodrigues. Caboclos na Amazonia: a identidade na diferença/ Novos cadernos NAEA. V.9, n,1, p.119-130, 2006

Silva, Tomaz Tadeu da Silva; Stuart Hall & Kathryn Woodward. Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos culturais. Petrópolis. Vozes, 2000. (livro inteiro)

Zedeno, Maria Nieves. On what people make of places. A behavioral cartography. In Schiffer, Michael Brian. Social Theory in Archaeology. The University of Utah Press, 2000: 97-111.

 

Bibliografia complementar

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. “Quando é preciso ser índio: identidades étnicas como força política nas aldeias do Rio de Janeiro. In: REIS, Daniel Aarão et al. (org.), Tradições e modernidades. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, pp. 47-60.

BOURDIEU, Pierre. 1989. A Identidade e a Representação. Elementos para uma Reflexão Crítica sobre a Ideia de Região. In O Poder Simbólico, Lisboa, Difel. Cap. V, pp.107-132.

Carneiro da cunha, Manuela. Negros, estrangeiros. Os escravos libertos e sua volta à África.  São Paulo, editora Brasiliense. Introdução (p.9-16;  Conclusão 205-209)

HOBSBAWN, Eric e Ranger, Terence (orgs.). 1997. Introdução. In A Invenção das tradições. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, pp. 9-23.

KUPER, Adam. 2008. Bárbaros, Selvagens, Primitivos. In A Reinvenção da Sociedade Primitiva: Transformações de um mito. Recife: Editora Universitária da UFPE. Cap. 2, pp. 41-62.

MONTEIRO, John Manuel. “Armas e armadilhas: história e resistência dos índios”. In: NOVAIS, Adauto (org.) A outra margem do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, pp. 238- 48.

OLIVEIRA, João Pacheco de. 1986. Fricção Interétnica. Dicionário de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, pp. 495-498.

OLIVEIRA, João Pacheco de. 1999. Uma Etnologia dos Índios “Misturados”: Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In A Viagem de Volta: Etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, pp. 11-39.

SEYFERTH, Giralda. 1986. Etnia, e Etnicidade. Dicionário de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, pp. 435-437.

SEYFERTH, Giralda. 1986. Grupo Étnico. Dicionário de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, pp. 530-532.

TODOROV, Tzvetan. 1993. Cap II- Conquistar. In A Conquista da América A Questão do Outro. Martins Fontes, 2a edição, pp. 63-149.

WAGNER, Roy. A Invenção da Sociedade. In A Invenção da Cultura. São Paulo: CosacNaify, pp. 165-202.

WEBER, Max. “Relações Comunitárias Étnicas”. In: Economia e Sociedade, 1. Brasília: Unb, 1991.

WITTMAN, Luisa Tombini. “Paraíso dos trabalhadores, inferno dos vadios”; “Considerações finais”. In: WITTMAN, Luisa Tombini, O vapor e o botoque: imigrantes alemães e índios Xokleng no Vale do Itajaí/SC (1850-1926). Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2007, pp. 155-219. (Dissertação Unicamp, 2005)